JEJUM: DESDE OS 500 ANOS ANTES DE CRISTO




embora o jejum tenha sido reconhecido como um tratamento para muitas doenças POR MAIS DE DOIS MIL E QUINHENTOS ANOS, o jejum como tratamento para convulsões é menos reconhecido.

VOCÊ PODE APRENDER AQUI - GUIA PARA INICIANTES -

O JEJUM É A ÚNICA MEDIDA TERAPÊUTICA CONTRA A EPILEPSIA REGISTRADA NA COLEÇÃO HIPOCRÁTICA. Cinco séculos depois, o jejum como terapia para convulsões foi documentado nos tempos bíblicos. Em uma citação da versão King James da Bíblia, Mark relata a história de Jesus curando um menino epiléptico (Huisjen, 2000).



O primeiro uso moderno DO JEJUM como tratamento para a epilepsia foi registrado por um par de médicos parisienses, Gulep e Marie, em 1911 (Guelpa & Marie, 1911). Eles trataram 20 crianças e adultos com epilepsia e relataram que as convulsões foram menos graves durante o tratamento, mas nenhum detalhe específico foi dado. Os relatos contemporâneos de jejum dos Estados Unidos também foram registrados no início do século XX: o primeiro foi um relato de um paciente de um médico osteopata, o dr. Hugh W. Conklin, de Battle Creek, Michigan; e o segundo dizia respeito a Bernarr Macfadden (Freeman et al., 1994). Macfadden era um guru da aptidão física / cultista e gênio da publicação do início do século XX. Ele aconselhou os leitores a se desenvolverem fisicamente, como manter sua saúde e como lidar com a doença. Cada edição de sua revista, Physical Culture, publicou artigos sobre homens e mulheres doentios que se tornaram saudáveis, fortes e belos por meio de dieta e exercícios adequados. No final da Primeira Guerra Mundial, a circulação da revista havia chegado a 500.000. Macfadden alegou que o jejum de 3 dias a 3 semanas poderia aliviar e curar praticamente qualquer doença, incluindo a epilepsia.


Traduzido e adaptado por Flávia Trajano

Criadora da Fan Page e administradora do grupo : JEJUM INTERMITENTE SEM MITOS

ARTIGO ORIGINAL - CLIQUE AQUI


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.