O JEJUM E O CÂNCER



O jejum pode ter efeitos positivos na prevenção e tratamento do câncer.

O Pesquisador Valter Longo, estuda os efeitos benéficos do Jejum contra a doença



Em camundongos, o jejum em dias alternados causou uma grande redução na incidência de linfomas (Descamps et al., 2005) e o jejum por 1 dia por semana  retarda a tumorigênese espontânea em ratinhos deficientes em p53 (Berrigan et al., 2002). 


No entanto, a maior diminuição da glicose, insulina e IGF-1 causada pelo jejum, que é acompanhada por morte celular e / ou atrofia em uma ampla gama de tecidos e órgãos, incluindo fígado e rins, é seguida por um período de alta Proliferação nestes tecidos, impulsionada em parte pela reposição de fatores de crescimento durante a realimentação.


 Quando combinada com carcinogéneos durante a realimentação, esta atividade proliferativa aumentada pode realmente aumentar a carcinogênese e / ou lesões pré-cancerígenas em tecidos incluindo fígado e cólon (Tessitore et al., 1996). 


Embora estes estudos sublinhem a necessidade de uma compreensão aprofundada dos seus mecanismos de ação, espera-se que o jejum tenha efeitos preventivos contra o câncer como indicado pelos estudos e pelos achados de que vários ciclos de jejum periódico podem ser tão eficazes quanto a quimioterapia tóxica na Tratamento de alguns câncer em ratinhos (Lee et al., 2012).


No tratamento do câncer, o jejum mostrou ter efeitos mais consistentes e positivos. Foi demonstrado que o JEJUM INTERMITENTE durante 2-3 dias protege ratinhos de uma variedade de fármacos de quimioterapia, um efeito chamado resistência diferencial ao stress (DSR) para refletir a incapacidade das células cancerosas de se protegerem com base no papel dos oncogenes na regulação negativa da resistência ao stress Tornando as células cancerosas, por definição, incapazes de se protegerem em resposta a condições de jejum (Figura 5) (Raffaghello et al., 2008). 



O JEJUM também provoca uma maior sensibilização de várias células cancerosas para quimioterapia, uma vez que promove um ambiente extremo em combinação com as condições de estresse causadas pela quimioterapia. Em contraste com o estado protegido entrado por células normais durante o jejum, as células cancerosas são incapazes de se adaptar, um fenômeno denominado sensibilização diferencial do estresse (DSS), com base na noção de que a maioria das mutações são deletérias e que as muitas mutações acumuladas em células cancerosas promovem o crescimento Sob condições padrão, mas torná-los muito menos eficazes na adaptação a ambientes extremos (Lee et al., 2012). 

Em modelos murinos de tumores metastáticos, as combinações de jejum e quimioterapia que causam DSR e DSS resultam numa sobrevida livre de câncer de 20 a 60% em comparação com os mesmos níveis de quimioterapia ou de jejum isolados que não são suficientes para causar qualquer sobrevivência sem câncer(Lee et al., 2012, Shi et al., 2012). 

Assim, a ideia de que o câncer poderia ser tratado com semanas de jejum sozinho, feito popular décadas atrás, pode ser apenas parcialmente verdade, pelo menos para algum tipo de câncer, mas espera-se ser ineficaz para outros tipos de cânceres. 

A eficácia do jejum a longo prazo sozinho (2 semanas ou mais) no tratamento do câncer terá de ser testada em ensaios clínicos cuidadosamente concebidos em que os efeitos secundários incluindo desnutrição e possivelmente um sistema imunológico enfraquecido e aumento da susceptibilidade a certas infecções são cuidadosamente monitorizados. 

Em contraste, os dados de animais de vários laboratórios indicam que a combinação de ciclos de jejum com quimioterapia é altamente e consistentemente eficaz no aumento do índice quimioterapêutico e tem elevado potencial de tradução. Uma série de ensaios em curso deve em breve começar a determinar a eficácia do jejum na melhoria do tratamento do câncer na clínica.


Fasting: Molecular Mechanisms and Clinical Applications

Traduzido e adaptado por Flávia Trajano
Edição de Imagens: Flávia Trajano
Criadora da Fan Page e administradora do grupo : JEJUM INTERMITENTE SEM MITOS


Artigo original (AQUI)


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.