SOBRE OS CARBOIDRATOS - COMO PERDER PESO?? Dr. Jason Fung





Na luta eterna contra a balança, o primeiro passo para emagrecer SEM DÚVIDAS é REDUZIR O EXCESSO DE AÇÚCAR. 

O próximo passo é reduzir carboidratos refinados. 

Existem muitas dietas que defendem o aumento da ingestão de carboidratos em vez disso. E algumas delas realmente funcionam.
Mas o carboidrato é bom ou ruim?



Desde meados da década de 1950 até a década de 2000, eles eram os bons, os heróis. Baixo em gordura, eles deveriam ser a nossa  falsa salvação  da epidemia de doença cardíaca. 

A investida de Atkins do final dos anos 1990 reformulou-os no papel de vilão dietético. Muitos advogados evitam todos os carboidratos.
O que, mesmo legumes e frutas? Sim, mesmo legumes e frutas. 

Então, os carboidratos são bons ou maus?

Insulina e a resistência à insulina é o caminho para a obesidade. 

Carboidratos refinados, como açúcar branco e farinha branca causam o maior aumento da insulina. Estes alimentos são bastante engordativos. Isso não significa que todos os carboidratos são igualmente ruins. Há uma diferença substancial entre "bons" carboidratos (frutas e vegetais integrais e "maus" (açúcar e farinha). Cebola e brócolis não vão fazer você engordar, não importa o quanto você coma. 

Mas comer quantidades até mesmo pequenas de açúcar pode certamente causar ganho de peso. No entanto, ambos são carboidratos - então qual é a diferença?

Como distinguimos os dois?


O Dr. David Jenkins da Universidade de Toronto começou a combater esse problema em 1981 com o Índice Glicêmico (IG). Os alimentos foram classificados de acordo com sua tendência para aumentar a glicose. Uma vez que a proteína e a gordura dietéticas não aumentaram a glicemia significativamente, elas foram essencialmente excluídas dessa tabela de IG. 

Foi utilizado exclusivamente para medir alimentos contendo carboidratos. Nestes alimentos, existe uma estreita correlação entre o IG eo efeito estimulante da insulina.

O ÍNDICE GLICÊMICO usa porções idênticas de 50 gramas de carboidratos. Por exemplo, você pode comer alimentos como cenoura, melancia, maçãs, pão, panquecas, uma barra de chocolate e aveia. Você mede cada porção de 50 gramas de carboidratos e, em seguida, mede o efeito sobre a glicose no sangue. Os alimentos são comparados com o padrão de referência, a glicose, que foi atribuído um valor de 100.

No entanto, uma dose padrão de alimentos não pode conter 50 gramas de carboidratos. Por exemplo,  a melancia tem um índice glicêmico muito alto de 72, mas contém apenas 5% de carboidratos em peso. A maior parte do peso é água. Então você precisaria comer 1 quilo de melancia para obter 50 g de carboidratos. Isso está muito acima de uma única porçãode uma tortilla de milho, que tem um GI de 52. A tortilha é de 48% de carboidratos em peso, então você tem que comer 104g da tortilla para obter 50g de carboidratos.

O índice de carga glicêmica (CGL) tenta corrigir essa distorção ajustando o tamanho da dose. Melancia acaba por ter um IG muito baixo de 4, mas a tortilha de milho ainda tem um alto IG de 25.

Quer classifiquemos carboidratos por IG ou CG, torna-se óbvio que há uma clara distinção entre carboidratos refinados e alimentos tradicionais não refinados. Os alimentos refinados ocidentais têm um IG e CG muito elevados. 

Alimentos naturais integrais têm baixa CG, apesar de conter quantidades semelhantes de carboidratos. Esta é uma característica distintiva essencial. Carboidratos não são predominantemente engordativos.

A toxicidade está nos 
CARBOIDRATOS PROCESSADOS.

O PROCESSAMENTO aumenta significativamente o índice glicêmico, purificando e concentrando o carboidrato. Remoção de gordura, fibra e proteína aumenta a velocidade de digestão. 

Os outros macronutrientes (gordura e proteína) retardam a absorção dos carboidratos. Além disso, os carboidratos refinados são muito mais fáceis de absorver. No exemplo do trigo, a moagem mecânica moderna substituiu quase completamente a moagem tradicional. Isto permite que o trigo seja pulverizado e transformado em um pó muito fino e branco que conhecemos como farinha. Os usuários de cocaína sabem que os pós muito finos são absorvidos pela corrente sanguínea muito mais rápido que os grãos mais grosseiros. Isso permite maiores "altos" - tanto para a cocaína quanto para a glicose. O trigo refinado faz com que a glicose aumente. ELEVANDO os níveis de insulina.


Em segundo lugar, o processmaneto facilita o consumo excessivo. Por exemplo, um copo de suco de laranja pode conter 4 ou 5 laranjas. É muito fácil de beber um copo de suco, mas comer 5 laranjas não é tão fácil. Removendo tudo que não seja o carboidrato, tendemos a consumir mais quantidade. Se tivéssemos de comer toda a fibra das 5 laranjas, não seria assim tão fácil. O mesmo se aplica aos grãos e legumes. Se removemos todo o farelo e fibra e gordura do trigo e transformá-lo em farinha branca, é muito fácil comer uma maior quantidade. 
O Dr. Andreas Eenfeldt de www.dietdoctor.com comparou porções idênticas de 30g de carboidratos nos vegetais ao pão. O pão contém o carboidrato quase puro em uma forma facilmente digerível. Uma pilha de vegetais contém quantidades significativas de fibra e gordura. 

Um é altamente refinado, o outro não é. Um vai causar obesidade, o outro não.

Olha a quantidade de vegetais, frutas, castanhas e outros alimentos naturais equivalente à um único sanduíche.

O problema é o equilíbrio. Nossos corpos se adaptaram ao equilíbrio de nutrientes em ALIMENTOS NATURAIS. Ao refinar alimentos e consumir apenas uma determinada porção, o equilíbrio é totalmente destruído. 

As pessoas têm comido carboidratos não refinados por milhares de anos sem obesidade ou diabetes. 

O que mudou recentemente, é que agora predominantemente comer grãos refinados como nossa opção quase única de carboidratos. Nas sociedades ocidentais, o trigo é muitas vezes o grão predileto.



Traduzido e adaptado por Flávia Trajano

Edição de Imagens: Flávia Trajano
Criadora da Fan Page e administradora do grupo : JEJUM INTERMITENTE SEM MITOS


Artigo original (AQUI)

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.