O JEJUM E A AUTOFAGIA - Dr. Jason Fung




O que é autofagia? A palavra deriva do  grego auto (self) e phagein (comer).
Assim, a palavra literalmente significa comer a si mesmo. 

Essencialmente, este é o mecanismo do corpo de se livrar de todas as organelas velhas ou malformadas, quando não há mais energia suficiente para sustentá-las. 


É um processo importante de autolimpeza, que existe em todas as células de nosso corpo   para degradar e reciclar componentes celulares. 

Existe um processo semelhante, mais conhecido chamado apoptose também conhecido como morte celular programada.  As Células, após um certo número de divisão, são programadas para morrer. Embora isso possa soar meio macabro, este processo é essencial para manter a boa saúde. Por exemplo, suponha que você possui um carro. Você ama este carro. Você tem grandes memórias nele. Você adora consertá-lo.Mas depois de alguns anos, ele começa a apresentar defeitos. Depois de mais algum tempo, o carro não parece tão especial assim e para mantê-lo está lhe custando muito dinheiro a cada ano. Está quebrando todo o tempo. É melhor mantê-lo quando parecer um monte de sucata?


   Obviamente não. Então você  deve-se livrar dele e comprar um carro novo .



 


A mesma coisa acontece no corpo. Células tornam-se velhas e defeituosas. É melhor que elas sejam programadas para morrer quando sua vida útil é finalizada. Parece realmente cruel, mas isso é a vida. 

O mesmo processo também acontece em um nível sub-celular. Você não precisa necessariamente substituir o carro inteiro. Às vezes, você só precisa substituir a bateria, e obter uma nova. Isso também acontece nas células. Em vez de matar a célula inteira (apoptose), você só quer substituir algumas partes da célula. Esse é o processo de autofagia, onde organelas subcelulares são destruídas e novas são reconstruídas para substituí-las. Membranas celulares antigas, organelas e outros detritos celulares podem ser removidos. Isto é feito enviando-o para o lisossoma, que é uma organela especializada contendo enzimas para degradar as proteínas.


fonte da imagem: http://faqbio.blogspot.com.br/2013/09/como-ocorre-morte-de-uma-celula.html

A autofagia foi descrita pela primeira vez em 1962 quando os pesquisadores observaram um aumento no número de lisossomos (a parte da célula que destrói o material) em células de fígado de rato após a infusão de glucagon. O cientista vencedor do prêmio Nobel Christian de Duve cunhou o termo autofagia. As partes subcelulares danificadas e as proteínas não utilizadas ficam marcadas para destruição e, em seguida, são enviadas aos lisossomos para terminar o trabalho.


A privação de nutrientes é o principal ativador da autofagia. Lembre-se que o glucagon é um tipo de hormônio oposto à insulina.


 Se a insulina aumenta, o glucagon cai. Se a insulina cair, o glucagon sobe.

Quando nós comemos, a insulina sobe e glucagon vai para baixo. Quando não comemos (jejum) a insulina cai eo glucagon sobe. 


Fonte Imagem: http://professorromario.blogspot.com.br/2014/08/hormonios-do-pancreas-insulina-e.html
Este aumento no glucagon estimula o processo de autofagia. De fato, o jejum (aumenta o glucagon) fornece o maior impulso conhecido para a autofagia.
O jejum é realmente muito mais benéfico do que apenas estimular a autofagia. Faz duas coisas boas. Ao estimular a autofagia, estamos limpando todas as nossas velhas, proteínas e partes celulares.


Ao mesmo tempo, jejum também estimula o hormônio do crescimento, que diz ao nosso corpo para começar a produzir algumas peças novas para o corpo. Estamos realmente dando aos nossos corpos uma renovação completa.
Assim, o processo de destruição (remoção) é tão importante quanto o processo de criação.  Assim, o jejum pode realmente reverter todo o processo de envelhecimento, livrando-se do lixo celular antigo e substituindo por peças novas.A autofagia é um processo altamente regulado. Se ela estiver fora de controle, isso seria prejudicial, por isso deve ser cuidadosamente controlada. Em células de mamíferos, a depleção total de aminoácidos é um sinal forte para a autofagia, mas o papel dos aminoácidos individuais é mais variável. No entanto, os níveis de aminoácidos de plasma variam apenas um pouco. Sinais de aminoácidos e fator de crescimento / sinais de insulina são pensados ​​para convergir na via mTOR - às vezes chamado de mestre regulador de sinalização de nutrientes.

Assim, durante a autofagia, componentes de células junky antigas são divididos em aminoácidos componentes (o bloco de construção de proteínas). O que acontece com esses aminoácidos? Nos estágios iniciais da inanição, os níveis de aminoácidos começam a aumentar. Pensa-se que estes aminoácidos derivados da autofagia são entregues ao fígado para a gluconeogénese. Eles também podem ser divididos em glicose através do ciclo ácido tricarboxílico (TCA). O terceiro destino potencial de aminoácidos deve ser incorporado em novas proteínas.

As conseqüências da acumulação de organelas antigas e defeituosas podem ser vistas em duas condições principais - 


doença de Alzheimer (DA) e câncer. 

A doença de Alzheimer envolve o acúmulo de proteína anormal - beta amilóide ou proteína Tau ligados ao sistema cerebral. Faz sentido que um processo como a autofagia que tenha capacidade de limpar as céluas velhas poderia impedir o desenvolvimento da DA.

O que bloqueia a autofagia? 
Comendo. A glicose, a insulina (ou o glucagon diminuído) e as proteínas todos desligam este processo de auto-limpeza. E não é preciso muito. Mesmo uma pequena quantidade de aminoácidos (leucina) poderia parar a autofagia. Portanto, este processo de autofagia é exclusivo do jejum - algo que não se encontra na simples restrição calórica ou dieta.

Há um equilíbrio aqui, é claro. Você fica doente com autofagia demais. 

Que nos leva de volta ao ciclo natural da vida - COMER E JEJUAR. 

Não UM JEJUM CONSTANTE. Isso permite o crescimento celular durante a ingestão, e limpeza celular durante o jejum - equilíbrio.


A VIDA É EQUILÍBRIO




Traduzido e adaptado por Flávia Trajano
Edição de Imagens: Flávia Trajano
Criadora da Fan Page e administradora do grupo : JEJUM INTERMITENTE SEM MITOS


Artigo original (AQUI)

Um comentário:

  1. Ola Flavia, gostei muito do artigo, existe nesses artigos alguma indicação na literatura em relação as doenças auto imunes - principalmente a Lupus e a artrite reumatóide? Haveria também uma autofagia dessas celulas defeituosas no organismo? obrigada!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.